Delegado diz que mais de 30 armas e 100 veículos foram levados de delegacia durante protesto na BA

13


Conforme Cruz, a polícia está tentando identificar os autores dos furtos. O delegado disse que os veículos roubados, que estavam apreendidos, estavam estacionados no fundo da delegacia. Com relação às armas furtadas, o delegado disse que foram de calibres diversos. “Eram todas armas que tinham sido apreendidas, tiradas das mãos do crime. Agora, voltaram novamente para as mãos de criminosos”, destacou.

No ato, a fachada da delegacia foi pichada e as instalações destruídas. Além disso, alguns carros apreendidos que estavam no local foram queimados.

Os moradores que realizaram a manifestação contra o delegado dizem que ele não estaria mais abrindo investigações, efetuando prisões, nem enviando os processos à Justiça. Na quarta-feira passada, populares já tinham feito outro protesto na cidade contra o titular.

O delegado disse, no entanto, que o ato foi feito por pessoas ligadas a um grupo político da cidade, depois que ele teria aberto investigação sobre corrupção no município. “É um movimento que começou pela Câmara (de Vereadores) e pelo Executivo contra o delegado”, afirmou o investigador, que já contabiliza 15 processos administrativos abertos por denúncias de moradores.

Florisvaldo Nery da Cruz afirma que atua na cidade desde o ano de 2006 quando começou a investigação da suposta prática de corrupção na prefeitura. “O problema é que sou um delegado diferenciado, não aceito propina e combato a corrupção. E nesse combate à corrupção comecei a atuar e tive alguns resultados, inclusive busca e apreensão das pastas de documentos de prestação e contas do prefeito”, contesta.

O delegado disse que sofreu duas transferências do cargo na cidade e só retornou no ano de 2011. Florisvaldo também reclama da falta de condições para que consiga atuar e combater a ocorrência de crimes na cidade. Ele diz que ele trabalha sozinho na delegacia, sem nenhum escrivão. O município teria ainda dois policiais militares.

O delegado afirma que a delegacia só conta com uma viatura, um aparelho de fax e uma linha de telefone. “A ineficiência da Polícia Civil decorre da omissão do estado. Hoje sou reduzido como fazedor de ocorrência. Sou delegado 24h por dia, moro na cidade”, disse.



Ver Matéria Original

SHARE